Classificados

Administração

Patrocinadores

 Visitem os Patrocinadores
dos Nobres do Grid
Seja um Patrocinador
dos Nobres do Grid
Interlagos está em risco? (2ª Parte - Pilotos, Chefes e Donos de Equipe)) PDF Print E-mail
Written by Administrator   
Thursday, 24 November 2016 10:39

Diante de diversas notícias veiculadas na imprensa internacional e das palavras de alguns políticos da capital paulista, fomos ouvir pessoas ligadas ao automobilismo e ao Autódromo de Interlagos sobre até onde o maior autódromo do país corre risco de desaparecer.

 

Nos últimos anos o Autódromo Internacional de Interlagos vem recebendo investimentos e passando por reformas para poder atender melhor àquela que é a sua maior atração como atividade-fim: o GP Brasil de F1. Contudo, ao longo de 2016 falou-se com uma certa frequência na Europa sobre uma possível saída da etapa brasileira do calendário. Em um dos casos, isso foi dito pelo próprio Bernie Ecclestone.

 

Interlagos tem uma peculiaridade que o difere dos principais autódromos do mundo: ele está encravado no meio de uma das maiores metrópoles do mundo, tendo os seus cerca de 1 milhão de metros quadrados extremamente cobiçados pelo mercado imobiliário.

 

Caso o Brasil venha a perder sua etapa do mundial de F1, o espaço físico Interlagos conseguirá sobreviver como autódromo sem um grande evento internacional de automobilismo? Há inclusive, candidatos a prefeito dizendo que venderão o autódromo caso eleito.

 

Adalberto Jardim – Piloto da Fórmula Truck.

Precisamos ver todos os ângulos. O projeto que foi feito aqui com esta reforma é fantástico. Eu não acredito que a Fórmula 1, o Bernie Ecclestone e os sócios do negócio não queiram mais a Fórmula 1 aqui em São Paulo. A lógica é essa. Se vai ter um GP na América do Sul, como não ser aqui?

 

Eu não vejo a Fórmula 1 saindo de Interlagos. Temos mais de 40 anos como sede da Fórmula 1, o país tem uma tradição e Interlagos tem uma história. Além disso, todas as reformas que foram solicitadas para serem feitas no autódromo até hoje foram feitas. Sendo assim, não tem porque deixar de trazer a corrida para Interlagos.

 

Quanto a essa ideia do prefeito de vender o autódromo, dependendo do preço, se for barato a gente tenta comprar (risos). Reúne os pilotos, os donos de equipe, faz uma dessas vaquinhas pela internet e a gente compra o autódromo. Eu não acredito que prefeito nenhum vá vender ou consiga vender Interlagos.

 

Andreas Mattheis – Proprietário da Equipe A.Mattheis na Stock Car.

Infelizmente não vejo como Interlagos continuar a existir se a Fórmula 1 não continuar sendo disputada em São Paulo. Não precisamos ir muito longe para ver o que aconteceu com o autódromo do Rio de Janeiro, que foi destruído e a promessa de um novo autódromo nunca saiu das palavras. Um autódromo espetacular, que podia receber a Fórmula 1 ainda hoje, que recebeu a Fórmula Indy e que tornou-se espaço para as olimpíadas... para depois virar objeto da exploração imobiliária.

 

Interlagos é o autódromo de maior tempo de existência e tradição que temos no Brasil, mas isso por si só não será garantia de que ele vá resistir às pressões para ser transformado em ocupação imobiliária. Se com a Fórmula 1 e mais as corridas nacionais, além dos eventos de música que acontecem aqui, nós já sabemos que existe este tipo de assédio, sem a Fórmula 1 não vai ter como segurar.

 

Interlagos está numa área muito valorizada e eu não acompanho a política local para saber se o prefeito vai vender ou quer vender o autódromo. O que precisamos fazer é reunir todos os seguimentos ligados ao automobilismo para que não aconteça em Interlagos o que aconteceu em Jacarepaguá.

 

Amadeu Rodrigues – Proprietário da Equipe Hot Car na Stock Car.

Eu acredito que sim, que Interlagos vai continuar existindo como autódromo mesmo que a Fórmula 1 por qualquer motivo saia daqui. A gente não pode deixar de considerar a importância da Fórmula 1 para Interlagos, mas também não pode deixar de considerar a importância de Interlagos para a Fórmula 1.

 

O Bernie Ecclertone tem empresa aqui no Brasil e ganha muito dinheiro por aqui e essa conversa e que a Fórmula 1 vai embora do Brasil pra mim é balela. Tem um contrato aí até 2020 e que ele não vai quebrar. Interlagos é um autódromo fantástico, tem uma pista perfeita. As obras estão aí, acontecendo nos boxes e se adequando ao que é preciso, só que se isso é bom para a Fórmula 1, é péssimo pra gente que usa o autódromo ou tenta usar e tem que se virar.

 

Eu vivo de automobilismo e estou nessa vida há muitos anos. Já vi centenas de reformas aqui e estão sempre pedindo mais, novas coisas e estas obras estão sendo feitas, sem parar. Mas se mesmo assim, com tudo isso, a Fórmula 1 sair daqui, São Paulo não pode deixar de ter um autódromo. Acho até que são Paulo, o estado, deveria tem mais autódromos.

 

Bia Figueiredo – Pilota da Stock Car.

Essa é uma pergunta muito política... eu acredito que sim, que Interlagos tem como continuar como autódromo, mas não podemos esquecer o que aconteceu com o Rio de Janeiro, que tinha um autódromo fantástico, que recebia Fórmula Indy, que recebia Moto GP e fizeram o parque olímpico em seu lugar, mesmo tendo outros espaços para fazê-lo.

 

Essa discussão de que a Fórmula 1 vai deixar de vir para o Brasil vez por outra a gente escuta... e ela continua vindo. Em todo caso, o que é preciso é uma união de esforços de todos que trabalham no automobilismo para que não aconteça aqui o que aconteceu no Rio, onde depois de Jacarepaguá se falou e se falou de outro autódromo e não fizeram. Nem sei se vão fazer.

 

Interlagos é um lugar histórico e independente da Fórmula 1, temos o automobilismo nacional correndo aqui, temos possibilidades de trazer outras categorias. Se Interlagos desaparecer, vamos ficar sem autódromo no estado? Eu acho difícil isso acontecer.

 

Carlos Alves – Proprietário da Equipe Carlos Alves Racing na Stock Car.

A realidade que estamos vivendo no Brasil é muito complicada. Diante deste quadro que vivemos e que não vai se resolver de uma hora para outra, Interlagos sobreviver apenas com as corridas que acontecem aqui no Brasil, com as nossas categorias é algo muito difícil.

 

A minha torcida é que, mesmo que a Fórmula 1, eventualmente, deixe de vir para Interlagos, nós possamos continuar tendo o nosso autódromo. Eu tenho uma relação com Interlagos muito próxima. Eu corri aqui como piloto por anos e anos. Moro a menos de um quilômetro daqui, tenho minha equipe colada aqui no muro do autódromo e se ele desaparecer, deixará uma grande lacuna em São Paulo e no Brasil. A gente sabe o quanto a Fórmula 1 é importante para a continuidade do autódromo e tudo que ela gera como negócio para a continuidade de Interlagos.

 

Eu não consigo mensurar o quanto valeria Interlagos como empreendimento ou para se construir alguma coisa aqui. Certamente existem grupos interessados em fazer alguma coisa com este espaço todo. É torcer e ver se conseguiremos manter Interlagos como é.

 

Cacá Bueno – Piloto da Stock Car.

Normalmente quando vocês do Nobres do Grid me fazem essas perguntas eu sempre tenho muito pra falar, mas desta vez eu acho que não tenho muito o que dizer. Começa que é um assunto de Fórmula 1, do Bernie Ecclestone, do promotor da Fórmula 1 no Brasil e sobre a viabilidade ou não da categoria continuar aqui no Brasil eu não me sinto à vontade para falar.

 

Sobre o Interlagos, o autódromo, aí sei, eu posso falar e eu não vejo motivo nenhum para que ele venha a ser destruído. É uma praça de esportes magnífica, é um espaço que abriga inclusive outras atividades, como festivais de música, de ciclismo, corridas a pé, que todo final de semana está ocupado. Porque se a Fórmula 1 não vier mais para cá Interlagos vai deixar de existir? Temos tantos autódromos no país que existem sem Fórmula 1. Isso não pode ser motivo.

 

Interlagos é um patrimônio da cidade e se o prefeito for realmente levar adiante vai ser um absurdo. Eu já sofri muito com a perda do autódromo de Jacarepaguá e vou achar uma perda se isso acontecer, mas não podemos especular sobre o assunto e, no que eu entendo, Interlagos é viável mesmo sem Fórmula 1.

 

Camilo Christófaro Jr. – Chefe da Equipe IVECO na Fórmula 1.

Eu acho que não. Há muito tempo que a especulação imobiliária está cercando essa área do autódromo e quando acabar o contrato com a Fórmula 1 Interlagos vai acabar virando um condomínio fechado. Eu ouço isso há um bom tempo e de diversas fontes. É uma área nobre, bastante valorizada e o custo para manter o autódromo é muito alto.

 

Assim como todo mundo que trabalha com automobilismo, espero que não aconteça, mas agora com este prefeito aí tendo dito em campanha que irá vender Interlagos e que disse estar buscando mesmo quem possa assumir o autódromo, eu não acho que alguém vá por dinheiro aqui pra fazer corrida.

 

Interlagos é o único autódromo que temos em São Paulo que se pode fazer corridas e isso é um absurdo São Paulo ter um autódromo só. O Rio Grande do Sul tem quatro, o Paraná tem três e aqui, até hoje, quem fez autódromo em São Paulo fez autódromo privado. Se Interlagos deixar de existir vai ser uma pena, um pecado, Interlagos tem uma história, tem uma tradição, mas aqui no Brasil isso não vale nada, aqui só se quer saber de dinheiro.

 

Djalma Fogaça – Proprietário da Equipe DF Motorsport na Fórmula Truck.

Em primeiro lugar eu acho impossível São Paulo Perder a Fórmula 1. A categoria tá aqui há muito tempo e o tal do Bernie Ecclestone fala suas coisas, mas no final, não deixa de ter a corrida por aqui. Agora, ele é um grande jogador e tem nas mãos uma coisa que muita gente quer, que é a Fórmula 1. Daí ele faz seu jogo para ganhar mais dinheiro e o mercado brasileiro vai ser sempre interessante pra ele.

 

Aí vem o prefeito eleito dizer eu vai vender, que vai privatizar o autódromo. Quem vai arrendar o autódromo pra fazer corrida? Não dá pra acreditar no que acontece em São Paulo. Eleição após eleição é cada candidato um pior que o outro. Nem o pior candidato lá de Sorocaba consegue ser tão ruim. É melhor que todos que concorreram em São Paulo.

 

Só quero ver se ele vai conseguir levar essa ideia adiante de vender Interlagos. Na minha opinião, ninguém vai comprar ou arrendar pra fazer negócio.

 

Fabio Greco – Proprietário da Equipe Greco na Copa Petrobras de Marcas.

A Equipe Greco, fundada pelo meu pai, se contar o tempo de quando era a equipe Willys, tem quase 60 anos que está instalada nas proximidades do autódromo, na zona sul da cidade. Quando veio pra região, não tinha nada, Interlagos era muito longe de tudo e agora são mais de 40 alqueires de terreno numa área nobre, super valorizada.

 

Se vai ser com o término do contrato com a Fórmula 1 ou não, uma hora a tendência é Interlagos deixar de existir como autódromo. O que me espanta ter durado tanto e ainda estar funcionando. Bem que seria bacana se pudesse ficar pra sempre, para a história, mas no resto do mundo é diferente. Não tem um autódromo ou uma área tão grande como autódromo dentro de uma cidade.

 

O que precisa ser feito é não deixar acontecer aqui o que aconteceu no Rio de Janeiro, onde destruíram Jacarepaguá e hoje o Rio de Janeiro não tem mais autódromo. Antes que aconteça o mesmo com Interlagos, é preciso que se construa um outro autódromo antes, fora de perímetros urbanos, mas com acessos bem feitos. Quando tem uma corrida grande ou um evento grande, o trânsito para em torno do autódromo e a verdade é que o autódromo acaba atrapalhando a cidade.

 

Marcos Gomes – Piloto na Stock Car.

O risco existe e existe há muito tempo. É uma área que foi se valorizando com o passar dos anos e como é propriedade da prefeitura, e é preciso que se trabalhe junto à prefeitura para que Interlagos continue sendo o que é e que o esporte possa acontecer.

 

A maioria das pessoas não tem ideia de quantas famílias dependem de Interlagos como local de trabalho. São oficinas, mecânicos, lojas de peças, há todo um entorno que vive do autódromo e não é pouca gente. Uma equipe não é só um ou dois carros e o piloto. Tem um time de mecânicos trabalhando para o carro ir para a pista. No caso do automobilismo do estado, são várias categorias, grids grandes, todos com pessoas trabalhando nos boxes em dias de treino e corrida, nas oficinas entre uma corrida e outra.

 

Caso aconteça, será uma grande tristeza, mas eu não acredito que venha a acontecer, mesmo que o Brasil deixe de ter uma etapa da Fórmula 1. Eu não tenho muito conhecimento sobre esses assuntos de política, que não costumo me envolver, mas acho que Interlagos pode continuar existindo só com o automobilismo nacional e que dure por muito tempo.

 

Pedro Pimenta – Chefe de Equipe no Mercedes Challenge e na Fórmula Truck.

Sobreviver eu acho que sobrevive, mas vai degradar. Não vai continuar com esse padrão que temos hoje por aqui. Por mais prejuízos que a Fórmula 1 traga para o automobilismo de São Paulo, ela traz divisas para a cidade e para o estado. Exigindo reformas, deixa o autódromo nesse padrão. Atualizado, pintado e limpo. Sem a Fórmula 1, vai se deteriorar como outros autódromo se deterioraram e vai deixar de ter o padrão que tem hoje.

 

Quando Interlagos foi construído isso aqui era terra de ninguém, era longe de tudo, era difícil se chegar aqui. Hoje é uma área que tem valor e isso concorre contra os nossos interesses. Sabemos que existem muitos interesses por trás desta área e que não estão pensando no autódromo. Milhões serão ganhos se Interlagos deixar de existir e virar um empreendimento imobiliário.

 

O automobilismo no Brasil nunca foi olhado de uma forma profissional em termos de usar o automobilismo para conquistar espaço em mercados, em mídia, em geração de empregos diretos e indiretos. Muita gente vive de automobilismo, mas não tem o conhecimento para agregar tudo isso

 

Wellington Cirino – Piloto da Fórmula Truck.

Eu tenho certeza de que ele vai sobreviver, sim. Eu tenho muito comigo o pensamento do automobilismo argentino, que vive e vive bem sem Fórmula 1, que tem muitas categorias fortes, que leva público para os autódromos e que permite os pilotos terem uma vida profissional sem pensar em correr no exterior.

 

Todo ano gasta-se uma quantidade enorme de dinheiro para um evento de três dias do ano. Esse dinheiro poderia ser melhor empregue. A cidade ganha dinheiro com arrecadação de impostos, mas quem ganha dinheiro são os donos da Fórmula 1. Um país como o Brasil precisaria repensar isso e ao invés de colocar tanto dinheiro em Interlagos, melhorar os autódromos brasileiros. Olha a situação do autódromo de Brasília... há dois anos sem poder receber corridas. O do Rio de Janeiro foi destruído.

 

A CBA precisava trabalhar junto ao governo federal, apresentar um projeto para que os autódromos fossem recuperados, melhorados, mas se São Paulo for na direção oposta e o novo prefeito conseguir levar adiante sua ideia de vender o autódromo vai ser uma perda muito grande para o automobilismo. Contudo, eu acho muito difícil que isso aconteça.


Last Updated ( Friday, 02 December 2016 09:52 )